sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Pessoas decididas

Faz um bom tempo que tenho sentido vontade de escrever sobre Phil Joel e as suas músicas. Hoje, vou começar escrevendo um pouco sobre quem ele é, um pouco de sua carreira e de um disco em especial, que tenho ouvido muito ultimamente. Num próximo texto, vou analisar uma música em especial, fazendo uma tradução livre dela. No futuro, pretendo analisar outras músicas dele, pra nosso crescimento.

Phil Joel

Aviso 1: pare agora, entre no seção de músicas do site oficial do Phil Joel, em http://philjoel.com/music/, escolha o disco Deliberate People (Pessoas Decididas), e depois a última música, chamada Jealous (Ciumento). É sobre ela que vou escrever em breve e será bom você começar a ouvi-la enquanto lê, para ir entrando no clima da música. Infelizmente, não achei nenhum versão boa da música em vídeo, apenas um pequeno trecho de uma gravação ao vivo, disponível aqui. A letra em inglês, está aqui.

Aviso 2: Eu teria muito mais a escrever, mas pretendo deixar os textos curtos e fáceis de ler. Você vai ver muitos hiperlinks ao longo do texto (são os textos sublinhados ou de outra cor). Eles levam para referências que eu usei como base pro texto, ou pra textos que aprojundam ou detalham algum aspecto do que estou escrevendo. A maioria dos links leva pra outros sites, muito em inglês. Fique à vontade pra clicar neles e ler o que tem por lá. Só não esqueça de voltar pra cá depois. ;-)

Phil Joel ficou conhecido como baixista do Newsboys, posição que manteve de 1994 até o final de 2006. Vou lá que o conheci, cantando e escrevendo algumas músicas. Após isso, ele resolveu se dedicar a projetos pessoais, de onde surgiram 4 álbuns, além de um álbum dedicado às crianças. Desde a sua saída, tenho acompanhado seu trabalho e sua vida, e tenho sido muito abençoado pelo que ele tem vivido, escrito e falado. Os trabalhos dele, na carreira solo, são:

  • Watching Over You (2000)
  • Bring it On (2002)
  • The deliberatePeople. Album (2005)
  • deliberateKids (2007)
  • The New Normal (2008)
O terceiro álbum dele, Deliberate People,  é provavelmente o melhor. É um trabalho intimista, que lembra um pouco os álbuns conceituais, tão comuns antigamente. Nesse, a ideia por trás de todas as músicas é a busca de uma vida prática de comunhão com Deus, de devoção nas pequenas coisas, e de como Deus se agrada disso. Nas palavras do próprio autor:

"Um movimento para encorajar as pessoas a que exercerem deliberadamente (isto é, propositalmente) a sua relação com Deus diariamente. É muito simples. A ideia de sair diariamente  para estar a sós com Deus e aprender a ouvir a Sua voz através da leitura da Bíblia e da oração não é exatamente um pensamento original, mas é um que acreditamos que Deus nos quer fazer voltar nesses dias loucos."

Além das letras extremamente inteligentes, parte musical é de muita qualidade, bem trabalhada, com ritmos variados e uma interpretação que se encaixa perfeitamente com as letras. Acredito que isso se deva ao fato do álbum ter sido composto e gravado por Phil Joel e seus amigos em sua casa, cercado pelas suas famílias, num clima de paz e tranquilidade. Percebe-se que não ouve pressa na produção. O resultado vale a pena conferir.

Uma das músicas que mais me chamou atenção no álbum, tanto pela letra quanto pela interpretação, bastante emocional foi Jealous, título que traduzido significa ciumento. Eu gosto muito da forma como ele passa a emoção da música. Mas afinal, quem é ciumento? Antes de escrever sobre ela, fui verificar o que o próprio autor disse sobre ela. Veja que interessante:

"Hum, por onde eu começo? Esta foi a primeira música que começamos a gravar, mas o última a ser concluída. Demorou muito tempo porque eu não tinha certeza de como tirá-lo e gravá-la do jeito certo. Eu queria que ela fosse sentida como um épico com um sensação de jornada, mas não com uma caminho perfeitamente orquestrado e delineado. Ela precisava ser quebrada, e um pouco confusa, mas com beleza e simplicidade. É a minha história e espero que seja a sua também. É o conto do filho pródigo contado através de nossas próprias vidas. É a história de um pai que quer seus filhos de volta. É uma história com um começo inocente onde a tragédia quebra e destrói a cena. É como o pai foi longe para ver a família reunida e em comunhão novamente. Se há uma canção que eu quero que as pessoas ouçam, é esta."

Eu colocaria a tradução livre da música aqui, juntamente com minhas impressões. No entanto, este texto acabou ficando muito longo, então vou encerrá-lo por aqui e a música fica pra próxima postagem. Até lá!

Graça e paz.

Marco André

Atualização: leia também a continuação desse texto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário